Corrimento vaginal

Definição

O corrimento vaginal se refere às secreções da vagina. Esse corrimento pode variar em:

Nomes alternativos

Secreção vaginal

Considerações

Ter uma determinada quantidade de corrimento vaginal é normal, principalmente se você estiver em idade fértil. As glândulas do colo do útero produzem um muco transparente. Essas secreções podem se tornar brancas ou amarelas quando expostas ao ar. Elas são variações normais.

A quantidade de muco produzida pelas glândulas do colo uterino varia durante o ciclo menstrual. Isso é normal e depende da quantidade de estrogênio em circulação no corpo. Também é normal que as paredes da vagina liberem algumas secreções. A quantidade depende dos níveis de hormônio no corpo.

O corrimento vaginal que muda de repente de cor, cheiro ou consistência, ou que aumenta ou diminui de volume de forma significativa, pode indicar um problema subjacente, como uma infecção.

Causas comuns

As seguintes situações podem aumentar o volume de corrimento vaginal normal:

O corrimento vaginal anormal pode ser devido a:

Cuidados em casa

Para ajudar a prevenir e tratar o corrimento vaginal:

Se o corrimento for causado por uma doença sexualmente transmissível, seu parceiro (ou parceiros) sexual também deverá ser tratado, mesmo que não apresente sintomas. O não tratamento dos parceiros pode fazer com que a infecção retorne continuamente levando a uma doença inflamatória pélvica ou à infertilidade.

Ligue para o médico se

Ligue para o médico imediatamente se:

Também ligue se:

O que esperar da consulta médica

O médico preparará seu histórico médico e fará um exame físico, incluindo o exame pélvico.

As perguntas do histórico médico poderão incluir:

Os exames de diagnóstico que podem ser realizados incluem:

O tratamento depende da doença subjacente. Supositórios, pomadas ou antibióticos podem ser receitados. Podem ser necessários medicamentos por via oral para tratar determinadas infecções por fungos ou tricomoníase. Seu parceiro sexual também pode necessitar tratamento.

Referências

Anderson M, Karasz A, Friedland S. Are vaginal symptoms ever normal? A review of the literature. MedGenMed. 2004;6(4):49.

Eckert LO, Lentz GM. Infections of the lower genital tract: vulva, vagina, cervix, toxic shock syndrome, HIV infections. In: Katz VL, Lentz GM, Lobo RA, Gershenson DM, eds. Comprehensive Gynecology. 5th ed. Philadelphia, Pa: Mosby Elsevier; 2007:chap 22.

Sanfilippo JS. Vulvovaginitis. In: Kliegman RM, Behrman RE, Jenson HB, Stanton BF, eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 18th ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier; 2007:chap 549.

Spence D, Melville C. Vaginal discharge. BMJ. 2007;335:1147-1151.


Reveja Data: 11/10/2013
Avaliado por: Susan Storck, MD, FACOG, Chief, Eastside Department of Obstetrics and Gynecology, Group Health Cooperative of Puget Sound, Bellevue, Washington; Clinical Teaching Faculty, Department of Obstetrics and Gynecology, University of Washington School of Medicine. Also reviewed by David Zieve, MD, MHA, Bethanne Black, and the A.D.A.M. Editorial team.
As informações aqui fornecidas não poderão ser usadas durante nenhuma emergência médica, nem para o diagnóstico ou tratamento de doenças. Um médico licenciado deverá ser consultado para o diagnóstico ou tratamento de todas as doenças. Ligue para 192 em caso de emergências médicas. Os links para outros sites são fornecidos apenas a título de informação e não constituem um endosso a eles. 1997- A.D.A.M., Inc. A reprodução ou distribuição das informações aqui contidas é estritamente proibida.
adam.com