Estreptococo de garganta

Definição

O estreptococo de garganta é causado por bactérias Streptococcus do grupo A. É a infecção bacteriana de garganta mais comum.

Nomes alternativos

Faringite estreptocócica

Causas, incidência e fatores de risco

O estreptococo de garganta é mais comum em crianças entre 5 e 15 anos, apesar de qualquer pessoa poder ser infectada.

O estreptococo de garganta se propaga de pessoa a pessoa por meio de secreção nasal ou saliva. É propagado com frequência entre membros da família.

Sintomas

Os sintomas podem ser suaves ou graves. Geralmente, você começa a se sentir doente entre 2 a 5 dias após ter tido contato com a bactéria.

Em geral, os sintomas aparecem subitamente e podem incluir:

Algumas cepas do estreptococo de garganta podem provocar uma erupção similar ao da escarlatina. Essa erupção é considerada uma reação alérgica às toxinas produzidas pelo estreptococo.

Sinais e testes

Um exame rápido pode ser realizado em quase todos os consultórios médicos, mas não detecta alguns casos.

Se o resultado do teste rápido para detecção do estreptococo for negativo e seu médico ainda considerar que você ou seu filho apresentam infecção, uma superfície da garganta pode ser examinada (cultura) para verificar o crescimento de estreptococos. Porém, o resultado demora de um a dois dias.

Tratamento

A maior parte das dores de garganta é causada por vírus, e não pelo estreptococo. O estreptococo não pode ser diagnosticado precisamente por sintomas ou simplesmente pelo exame físico. Muitas das outras causas de dor de garganta podem apresentar os mesmos sintomas.

As dores de garganta somente devem ser tratadas com antibióticos se o resultado do exame de estreptococo for positivo. Antibióticos são receitados para prevenir problemas de saúde raros, porém mais graves, como a febre reumática.

A penicilina ou a amoxicilina geralmente são usadas primeiro. Os antibióticos devem ser tomados por 10 dias, apesar de que, em geral, os sintomas desaparecem em alguns dias.

As medidas a seguir podem ajudar a melhorar sua dor de garganta:

Expectativas (prognóstico)

Os sintomas do estreptococo de garganta geralmente desaparecem em cerca de 1 semana. Se não tratado, o estreptococo de garganta pode resultar em complicações sérias.

Complicações

Em raras ocasiões, o estreptococo de garganta pode levar à febre reumática caso não seja tratado. O estreptococo de garganta também pode causar uma complicação renal rara, chamada glomerulonefrite pós-estreptocócica.

Ligando para o médico

Consulte seu médico se você desenvolver os sintomas do estreptococo de garganta. Além disso, consulte se estiver sendo tratado por causa do estreptococo de garganta e não estiver se sentindo melhor em até 24 a 48 horas.

Prevenção

A maioria das pessoas com estreptococos transmite a doença até que tenham sido tratadas com antibiótico durante 24 a 48 horas. Elas devem ficar em casa e não ir à escola, à creche ou ao trabalho até que tenham tomado antibiótico por pelo menos um dia.

Compre uma escova de dentes nova quando não tiver mais risco de transmitir a doença, mas antes de terminar os antibióticos. Caso contrário, a bactéria pode permanecer na escova de dentes e reinfectá-lo ao quando terminarem os antibióticos. Além disso, mantenha à parte as escovas de dente e os utensílios de seus familiares, a menos que tenham sido lavados.

Se ocorrerem repetidos casos de estreptococo na sua família, você pode verificar se alguém é portador do estreptococo. Os portadores têm o estreptococo na garganta, mas não adoecem com as bactérias. Às vezes, tratá-los pode evitar que outras pessoas da família contraiam estreptococo de garganta.

Referências

Gerber MA, Baltimore RS, Eaton CB, et al. Prevention of rheumatic fever and diagnosis and treatment of acute Streptococcal pharyngitis: a scientific statement from the American Heart Association Rheumatic Fever, Endocarditis, and Kawasaki Disease Committee of the Council on Cardiovascular Disease in the Young, the Interdisciplinary Council on Functional Genomics and Translational Biology, and the Interdisciplinary Council on Quality of Care and Outcomes Research: endorsed by the American Academy of Pediatrics. Circulation. 2009 Mar 24;119(11):1541-51.

Chan TV. The Patient with Sore Throat. Med Clin North Am. 2010 Sep;94(5):923-43.

Shaikh N, Leonard E, Martin JM. Prevalence of streptococcal pharyngitis andstreptococcal carriage in children: a meta-analysis. Pediatrics. 2010 Sep;126(3):e557-64.

Del Mar C, Glasziou PP, Spinks A. Antibiotics for sore throat. Cochrane Database Syst Rev. 2006 Oct 18;(4):CD000023.

Altamimi S, Khalil A, Khalaiwi KA, Milner R, Pusic MV, Al Othman MA. Short versus standard duration antibiotic therapy for acute streptococcal pharyngitis in children. Cochrane Database of Systematic Reviews 2009, Issue 1. Art. No.: CD004872.

This article uses information by permission from Alan Greene, M.D., © Greene Ink, Inc.


Reveja Data: 1/8/2012
Avaliado por: Linda J. Vorvick, MD, Medical Director, MEDEX Northwest Division of Physician Assistant Studies, University of Washington, School of Medicine. Also reviewed by David Zieve, MD, MHA, Medical Director, A.D.A.M., Inc.
As informações aqui fornecidas não poderão ser usadas durante nenhuma emergência médica, nem para o diagnóstico ou tratamento de doenças. Um médico licenciado deverá ser consultado para o diagnóstico ou tratamento de todas as doenças. Ligue para 192 em caso de emergências médicas. Os links para outros sites são fornecidos apenas a título de informação e não constituem um endosso a eles. 1997- A.D.A.M., Inc. A reprodução ou distribuição das informações aqui contidas é estritamente proibida.
adam.com